Não boto fé no amor

Imagem ilustrativa do texto de Fabrícia Hamu, Não boto fé no amor
Ilustração: Elisio Hamu

*Fabrícia Hamu

O desejo arde. Pulsa. Quando desejei um outro alguém, uma atração magnética tomou conta dos nossos corpos. Não houve jeito de escapar. E como foi boa essa entrega. Como foi intensa. Minutos que pareciam horas; abraços que se tornaram seguras prisões; beijos que penetraram a alma e precediam a consumação do que era incontrolável. Alternando entre momentos épicos e trágicos, o desejo nunca deixou espaço para o que fosse morno. A vida sobre uma montanha russa, com subidas e descidas loucas e inesperadas.

Era como uma vela. Uma vez a chama acesa, brilhava. Quente. Hipnótica.

Quanto mais brilhava, mais consumia a vela. E uma vez totalmente derretida, estava acabado. Não havia como reacender o pavio. Por muitas vezes eu quis colocar a vela numa redoma, para que o vento não apagasse a chama e o tempo não derretesse tão rápido a cera. Mas não funciona assim. Passa o tempo inexorável, e o vento, ao menor descuido, apaga a chama. Parecia tão forte, mas na verdade era sutil. Frágil demais. Com prazo de validade inalterável.

E foi então que, entre chamas acesas e apagadas, eu me lembrei do amor. Ele não brilhava. Não me hipnotizava. Parecia não ter pressa nem glamour. A chama do amor era discreta, não queimava. Só aquecia. E eu, que estava acostumada com o ardor da fogueira, achei tudo tão sem graça. E dei a ele o nome de rotina. De amizade. De tédio. Até que entendi que não era nada disso. Diferente do desejo, ele se transformava, e era capaz de resistir ao tempo e ao vento. Começava suave, mas podia adquirir força hercúlea.

O desejo não precisa de nada além do outro para se realizar. O amor requer esforço, dedicação. Obstinação. Ele não se resolve com uma atração magnética. É fruto de uma decisão consciente de querer ficar. De querer ser. E como dá trabalho. Ele se esconde embaixo de boletos de condomínio, do arroz que queimou, da ida ao supermercado em pleno domingo, da mensagem de WhatsApp que pergunta se ainda vou demorar muito. Das visões de mundo diferentes, das chatices, dos pitis. Uma rotina tão pesada, ao ponto de fazer submergir toda a vontade de lutar por ele.

Talvez seja por isso que Chico Buarque disse em “Futuros amantes” que “os escafandristas virão explorar sua casa, seu quarto, suas coisas, sua alma, desvãos”.

É preciso mergulhar nas profundezas do dia a dia para encontrar a razão que fez com a gente quisesse estar naquele mar de previsibilidade. Fiquei pensando se não seria o comodismo de não ter de surfar numa onda gigante, e saber que o vem pela frente é somente uma marolinha. Ou talvez o conformismo de que é melhor ser um tubarão no aquário, que um peixinho no oceano.

Nem comodismo nem conformismo. O amor não se afoba e sabe que nada é pra já, porque não é instintivo, mas fruto de uma construção. Uma vez o barco pronto, ele abriga, protege e nos ajuda a atravessar as noites de tormenta e a contemplar os dias ensolarados. Para construir essa embarcação, é necessário ter paciência, tolerância e disposição. Esperar que o amor, assim como o desejo, se resolva por si só, é querer que o barco afunde. Apenas ter fé que tudo vai dar certo e a sucessão dos dias não vai pesar, esperando que basta sentir para durar, é pedir para naufragar.

É por isso que eu não boto fé no amor. Ponho cuidado, atenção, esforço para que o tempo e o vento não consumam o que ele tem de bom. Me lembro todos os dias que o frio na espinha que o desejo desperta já me rendeu ótimos momentos, mas que o que busco agora é calma para a alma. E esse aconchego só o amor pode trazer. O amor que enxerga as qualidades, mas que também aceita os defeitos, porque não busca uma idealização ou a solução para uma equação química corporal. Ama um ser real, já que defeitos e qualidades é que compõem a verdadeira essência de alguém. E não há nada mais sublime que ser amado pela nossa essência.


*Fabrícia Hamu é uma das fundadoras do Vida de Adulto. Escreve às segundas-feiras, duas vezes por mês.

32 thoughts on “Não boto fé no amor

  1. Ioi fabricia!
    Você conseguiu escrever exatamente o caminho do amor . Da paixão ao companheirismo que talvez seja mais um estágio do amor.
    Bom ler você novamente ! Parabéns, belo texto. Adorei,

  2. Olá,

    Li uma entrevista do mestre Gay Talese em que falava o seguinte sobre a comemoração de seus 50 anos de casado: “Ao escolher uma pessoa para viver não se deve avaliar apenas se o sexo é bom, mas se você vai querer tomar café da manhã com ela pelo resto de sua vida.

  3. Oi Fabrícia, vc sumiu tava com saudades dos seus textos. Depois do “Me serve vadia” acho q deve ter sido complicado. LOL. Qto ao amor acho q é isso aí msm, feliz daqueles que descobrem essas diferenças entre amor,paixão e desejo o mais rápido possível. Abrir mão da montanha-russa para nosotros, que gostamos de escrever, de sentir os máximos é muito difícil. Porém depois dos 30, principalmente, e com já algumas voltas dadas no autódromo da desilusão é preciso, colocar um pouco mais de racionalidade pra funcionar e tentar manter o ego num estágio controlável.

    Saudações australianas,

    Thiago Borges

    1. Thiago, há quanto tempo… E que surpresa boa te ver por aqui! Bom saber que você continua lendo não apenas as linhas mas, principalmente as entrelinhas, dos meus textos (rs). Espero que continue entrando sempre no blog, um grande abraço!

  4. Muito interessante e atual seu texto, Fabrícia. Parabéns. A nobreza de amar está escassa nessa legião de corações vis.

  5. Tão lindo, tão emocional, tão real. Parabéns, Fabrícia, também estava com saudades dos seus textos.

    Deixo ainda um verso escrito pelo sábio Salomão, em Cantares 8:6: “O amor é forte como a morte”.
    Beijo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *