Mais que amor

Foto: Depositphotos

E veja só a minha ingenuidade: eu pensava que o amor era capaz de tudo. Acreditava que duas pessoas que se amam sempre ficavam juntas. Mas nossa história me mostrou que não. O amor não é o antídoto que nos transforma nos super-heróis das histórias em quadrinhos. Ele é apenas um sentimento, que sozinho não faz mágica.

Sim, é possível amar e não conseguir estar junto. Para viver uma relação, é preciso mais que amor. É preciso uma coragem, uma determinação, uma força que muitas vezes não temos. É preciso vencer o orgulho de se expor. O medo da rejeição. O apego ao passado. A vulnerabilidade que nos transforma em seres tão à flor da pele, que qualquer beijo de novela nos faz chorar.

Quando eu ia, você ficava paralisado pelo medo. E quando você vinha, era que eu ficava imobilizada pela mágoa. Nesse descompasso, fomos nos perdendo, ainda que o amor estivesse lá. E ele está. Em cada sorriso que abro ao saber de uma conquista sua. A cada vez que você se preocupa comigo pelas mínimas coisas. Sempre que nossos beijos e abraços se encontram.

Ontem revi “As pontes de Madison”. Assisti a Meryl Streep e Clint Eastwood se amarem profundamente, mas sem terminar juntos, porque a certeza da vida já construída pode ser mais confortável que a dúvida de uma história ainda não escrita. Na arte que imita a vida, para viver uma relação amorosa também é preciso mais que amor.

Com você, enxerguei o que minha idealização não me permitia ver: somos todos seres frágeis, hesitantes e cheios de cicatrizes, em busca de afeto. Apesar de sedentos por amor, nem sempre somos capazes de alcançar o que mais desejamos. E está tudo bem, porque essa é uma das lições preciosas do amor: a aceitação pacífica e empática de nossa precariedade e do outro.

Somos sem estar. Não é sua culpa nem minha. É da natureza humana e da fragilidade amorosa, como bem definiu Cecília Meireles: “Encostei-me a ti, sabendo bem que eras somente onda. Sabendo bem que eras nuvem, depus a minha vida em ti. Como sabia bem tudo isso, e dei-me ao teu destino frágil, fiquei sem poder chorar, quando caí.”

One thought on “Mais que amor

  1. Gostei muito dos seus textos. Tenho vivido muitas coisas relatadas neles. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *