Por que tenho sempre que ter razão?

taciana collet queria sempre ter razão quando conversava com sua mãe
Foto: Arquivo pessoal

*Taciana Collet

Por que será que sempre estou certa e ela, não? Sempre contestei para ter a última palavra nas nossas conversas porque eu estudei mais, conheci mais o mundo, estou na terapia e ela, não. Ela, minha mãe. Quão tola fui todos esses anos. Com tantas certezas, só podia estar errada.

Precisou, sim, de uma quarentena para que ouvisse minha mãe sem querer ter a razão. Minha mãe está certa. Ainda preciso aprender muito com a vida e com ela. Tenho passado por momentos especiais nesses dias fechados porque me propus a guardar a presunção. A começar pelo trivial.

Filha, não deixa a pia da cozinha suja para o dia seguinte.

Demorou para eu concordar que é muito melhor amanhecer e fazer o café numa cozinha limpa.

Os tempos não são felizes, mas, no meio da tristeza, já consigo ter gratidão pelo hoje. Porque o presente trouxe minha mãe pra mim. Sim, ela ficou na minha casa, dividindo a quarentena comigo, durante um mês. Eu e minha irmã decidimos que ela não enfrentaria isso sozinha. Era o que meu pai e minha vó gostariam que fizéssemos e assim fizemos.

Descobri, nesta temporada, que minha mãe é divertida. Todo mundo achava graça no que ela dizia, menos eu, porque a crítica chegava antes. A raiz branca do meu cabelo está tão aparente que ela preocupa. Digo que vou assumir os brancos e ela me responde que não pode ter uma filha mais velha que ela. Agora dou risada porque minha mãe, acredite, é divertida.

Debaixo da “braveza” dela, existe um coração gigante que só precisa de outro para derramar seu amor. Nunca abri o meu totalmente porque a razão era minha. Sem razão fui eu que quis sempre estar certa. Não existe “quem tem razão” quando a conversa passa pelo coração. O meu agora se abre e recebe. E vem uma enxurrada acumulada de amor.

Mesmo se não fosse minha mãe, gostaria de tê-la por muito perto. Descobri que tudo que ela mais quer é amor. Descobri que tudo que mais quero é o mesmo. Vai soar piegas, não me importo. O amor rompeu minhas certezas. E essa não só é a maior declaração que faço hoje. É a declaração que faltava para que pudéssemos viver em paz. E a paz deixa o amor fluir.


*@tacianacollet é uma das fundadoras do Vida de Adulto e escreve às sextas-feiras, duas vezes por mês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *