Ela não sai da vontade de viver OU cinquentou

Natascha Duarte no Blog Vida de Adulto
Foto: Arquivo pessoal

*Natascha Duarte

Então hoje o que há de ser? É pra ser meu aniversário. E você comemora ainda? Não exatamente, mas vibro uma vida que sonha cheia de si ainda. Há muito o que comemorar?

Como não, eu adoro música, é quase um vício, é como dançar de braços dados. Então a música é o segredo da felicidade? E é, com a música que meus filhos ouvem eu mesma remocei mais do que com tratamentos estéticos. Se ri toda. Como isso é possível? Não sei! Posso até ter sido uma cantora em outros tempos, sem sucesso creio, já que gosto de cantar, mas canto muito mal.

Tem algo que falta dizer? Se tem… Adoro escrever, mas o que mais gosto é ver os meninos me vendo produzir. Quase não fiz nada de minha vida, sabe? Não que escrever seja muito. Ok. Ok. Você vai fazer o quê? Usará vestido? Sim, eles escondem o que há para esconder e destacam minha cintura fina, sou maluca por minha cintura fina e vai ter bolo gelado de abacaxi e vinho branco.

Ia perguntar sobre seu marido e filhos. Isso não se diz, é impossível e eu não seria capaz de descrever, os amo com toda a reticência que o amor pode trazer. Seus pais? Meus anseios me fazem pensar em Deus quando penso nos meus pais e porque sou fruto é que viajarei um dia ao encontro da minha árvore. Mamãe vive bem e vem me ver.

Amigos! Sei que são importantes pra você.

Porque tenho amigos que rio um córrego que existe dentro de mim. Livros, filmes… Nunca me deixam sentir solidão, para mim é um milagre alguém escrever uma história com personagens, cenário. Seus irmãos? Dois, porém parecem mais, estão juntos de mim.

Está muito você, quase soberba, sei que não gosta assim. Permita-me as exagerações apenas por hoje, não se faz 50 anos todo dia, já chorei, já fui feliz e já pedi a Deus que não me leve tão cedo, tenho meus meninos para acompanhar.

Permita-me ser garbosa também porque sou ordinária e uma estrela, sou todas as mulheres e uma única, de digitais e contornos precisos, ausências e amplos sorrisos. Sou o avesso e o lado certo e sou o lado de dentro. Todo mundo tem um lado de dentro, até você. O que quis dizer com ausências? Ah, é que estou virando um bicho do mato, talvez um macaco. Credo!


*Meu nome é @natascha.duarte, 49, sou formada em Fonoaudiologia pela PUC Goiás e em Relações Públicas pela UFG. Casada com Silvio Quirino, fotógrafo publicitário. Temos uma agência de produção de áudio visual e de estratégias políticas e de varejo. E dois filhos, Miguel de 13 anos e Benício de 8. Sou mãe em tempo integral e minha paixão é escrever. Tenho o blog Natascha Duarte – Livre pensar onde compartilho meu livre pensar e alguma inspiração literária. Mudamos para uma cidadezinha nos arredores de Goiânia, Goiás, há um ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *