O mistério da ninhada

Watson Braga no Blog Vida de Adulto
Foto: Arquivo pessoal

*Watson Braga

Minha “fuga” terminou bem. Você pode sossegar. Tudo já está bem resolvido, embora alguns sentimentos ainda necessitem de certa calibragem.

Voltei para casa mais ansioso do que gostaria e menos independente do que planejara. Já da porta, empinei o focinho com um ímpeto de altivez, para que reparassem no turbilhão de mudanças que vivi nas últimas horas. Mas os novos cheiros que captei jogaram meu queixo no rés-do-chão. O cão planeja e Deus ri…

Com uma dupla de rápidos giros de cabeça, deparei-me com um Marcelo de olheiras fundas e alguns pelos brancos a mais no topo da cabeça, e com uma Joyce um tanto menor e bem cansada! Como terão gasto todas aquelas horas de distância?

Exatamente quando ruminava essa dúvida lancinante, reparei no quarto elemento. Um protótipo de humano, ainda menor que eu, com poucos pelos e uma mistura de cheiros de fome eterna com o azedume de um quase leite.

Não era possível! Aquele humaninho seria um Joycelo? Claro que sim! Os odores de ambos os tutores iam brotando dele com uma calma calculada, como um furtivo e delicado cartão de visitas. Naquele exato momento, caiu sobre mim a maciça realidade: ali estava meu novo tutorzinho!

“Olha aí o Samuel, Watson!”. Apesar de cansada, a voz do Marcelo estava tonitruante como nunca. Num entusiasmo de sonho que se realiza. Estava eu diante de um ser totalmente entregue à certeza de que nada mais importaria no mundo, após aquele segundo em que conhecera o rosto de seu futuro.

Samuel… Que nome! Que ode aos títulos bem escolhidos. Foi ela. Certeza! Ele não presta para nomear nem cachorro…

Aí você me aperta, perquirindo como passei quase nove meses ao lado de uma gestação sem nem abanar o rabo. Vai dizer que é por isso que sempre serei o assistente do Sherlock, um mero escriba. Em minha defesa, apresento a empatia de nem perceber as mudanças físicas de meus conviventes. E, agora que não haverá indelicadeza ao se falar do crescimento da Joyce, posso externar minha estupefação: impossível ninhada de um com aquela barriga! Garanto que investigarei para onde foram os outros rebentos. Mesmo que como coadjuvante…


*Watson (@watsonmbraga) – o cãotador de histórias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *