Reparo e paro no belo

Taciana Collet escreve sobre o Belo
Foto: Arquivo pessoal

*Taciana Collet

Amanheci desejosa de viajar. Talvez porque o calendário me acusasse um feriado. Minha alma exploratória gritava por um passeio do lado de fora. Variar o cenário dessa viagem que venho fazendo há mais de um ano pra dentro.

Peguei o carro, mas precisava voar. Mesmo que fosse de carona pelo lado sul da asa do avião. Me desafiei a ser turista na minha própria cidade porque turista tem olhar desacostumado da beleza do lugar.

Invoquei as companhias de Lúcio Costa, Niemeyer e Burle Marx e fui com eles passear entre as quadras de Brasília. A cidade que adotei como minha faz hoje 61.

Caminho sem pressa.
Paro no belo.
Reparo.
Respiro.

Caminho sem pressa.
Paro na primeira banca de jornal da capital, a do seu Lourivaldo, 83. O jornaleiro me recebe com um sorriso debaixo da máscara e oferece o jornal.

— Não, sem notícias hoje, seu Lourivaldo. O jornalismo quer saber da exceção. E eu estou querendo a regra mesmo. Tem?

Assim que pergunto, vejo a capa da revista Vida Simples. “Repare na beleza”. A beleza é a regra, vou levar. Peço pra ele posar pra foto. Turista quer registrar tudo.

— Só se for debaixo da poesia que fiz.

Caminho sem pressa.
Reparo na teia desenhada por dona aranha. Inevitável comparação com os invisíveis fios que me conectam a tudo e todos.

Caminho sem pressa.
Respiro apaixonada ao ver o casal que namora, encontro Lúcio Costa na porta de uma lojinha e Brasília todinha se desenha pra mim. Passo pela primeira igrejinha, que pinta o céu azul sem nuvens de branco. Agradeço e sigo.

É quase meio-dia e nem percebi. Talvez por conta da copa fechada das árvores que me acompanharam fazendo sombra. O tempo que andava devagar, voou sem pressa. Preciso comprar o pão de amanhã. Entro na padaria e sou recebida com uma poesia na parede. “Caminhar por Brasília é um presente divino”, diz um trecho.

Coincidência? Prefiro confiar que quando a gente lança um pedido a vida entrega o presente. Bastam os sentidos despertos para encantar um dia desencantado. Quero agora explorar o norte da Asa. Mas como boa turista que sou, divido meu álbum da viagem pelo singelo com você.


@tacianacollet é uma das fundadoras do Vida de Adulto, escreve às sextas-feiras, duas vezes por mês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *