Pandemia e solidão daqueles que ficaram sós

Thaise Brasil escreve sobre  Pandemia e solidão
Foto: Arquivo pessoal

*Thaise Brasil

Tenho uma tendência e empatia natural a escrever sobre mães pandêmicas isoladas, estressadas e exaustas com suas crias e suas vidas completamente desorganizadas e caóticas. E mesmo que o cenário acima não seja o ideal e seja bastante assustador, há outro que talvez seja mais complexo, àquele que se refere às mães cujos filhos voaram e, agora, se encontram distantes, separados pela geografia e pelo perigo do contágio, afastados das famílias e sem previsão de reencontro.

Quanto tempo mães e filhos podem ficar sem se ver?

Famílias cujas comunicações se transformaram em vídeochamadas e mensagens de whatsapp. Que acompanham sobrinhos, netos, primos, irmãos crescerem em medidas digitais, por imagens não tão precisas. Muitas famílias, durante a covid-19 descobriram novas formas de ressignificar contatos e distâncias. Há pouco, o mundo estava ao alcance de um voo, mesmo que de longa duração. Era possível planejar feriados e férias em família. Agora, são sortudos aqueles cujas famílias moram perto.

Para alguns, a distância, que antes era medida em quilometragem, passou a ser medida em tempo e assim, eu, mãe pandêmica do caos, me pego pensando na saudade de muitos, na solidão de ocupar o tempo vendo a vida por telas. E, enquanto o mundo para, ter de ficar só consigo mesmo. Sim, podemos ser boas companhias de nós mesmos, mas somos humanos e temos, por hábito, a necessidade de estar junto e próximos daqueles que amamos.

Hoje, mais uma vez, reparo na minha sorte, nem tão isolados, nem tão sozinhos. Completos e em companhia. Ao reparar no meu mundo, espero que em breve muitos abraços possam ser dados, muitas viagens possam ser realizadas, muitos pais, filhos, netos, sobrinhos, amigos possam se reencontrar em qualquer lugar do globo.


*@thaisem é jornalista gaúcha que mora em Brasília há 5 anos. Agora, aos 35 anos, mãe de uma menina linda de dois anos e experimentando a vida adulta sem rede de apoio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *