Samba de um coração partido

*Bruna Oliveira

Uma mulher tem que ter qualquer coisa além de beleza, qualquer coisa de triste, qualquer coisa que chora, qualquer coisa que sente saudade, um molejo de amor machucado. Vinicius sabia das coisas.
Mas que castigo é esse ter que sofrer a dor de um coração partido?
Não há nada que catalise esse momento. Não podemos chamar alguém pra passar de fase.
Não tem remédio que faça passar a dor de um coração partido.
Apenas o tempo. Único esteio possível.
E acredite, meu caro jovem de coração partido, o tempo não é algo absoluto.
Não é o cronos, e sim kairós.
O tempo de felicidade não é perceptível, e sim vivido, transcendido.
Já o tempo que é remédio das dores incuráveis, é amargurado, milesimamente cronometrado.
Talvez se soubéssemos viver essa amargura, o limbo da peregrinação de um coração partido possa ser também vivido e transcendido.
E já que é preciso um bocado de tristeza… Quem sabe fazer um samba do coração partido.


Sobre @brunafoliveira__:
Nordestina de raízes, sotaque e afeto, sulista de residência. Libriana. Amante das artes, beleza, justiça, poesia e tudo que é bonito e toca a alma. Vivo de paixões e transmito-as ao papel como terapia. Chamo de escrevoterapia. Incentivada por amigos (escritores e não escritores), resolvi publicar meus devaneios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *