Andar sem rodinhas

Patrícia de Paula Gomes no Blog Vida de Adulto
Foto: Arquivo pessoal

*Patrícia de Paula Gomes

Dia desses, me veio a lembrança da minha primeira bicicleta. Ela era rosa, reformada, uma bicicleta que tinha sido da minha irmã, uma Cecizinha com duas rodinhas. Eu me lembro claramente do meu pai chegando em casa no fim do dia, tirando-a de dentro do carro. Ela era linda! Aquilo me marcou demais, hoje, ainda, consigo acessar a emoção que senti naquele momento: felicidade!

Essa lembrança me levou a outra: quando aprendi a andar sem as rodinhas. Eu já vinha de um aprendizado de andar com as duas, depois só com uma. Essa última rodinha eu acho que serve mais como uma espécie de placebo emocional, que diz “ah, ainda tem uma rodinha me segurando”.

Daí eu me lembro da calçada de casa, eu pedalava por ela e, na hora que fazia a curva, essa rodinha saía do chão. Naquele momento, eu andava sem a rodinha! Uma mistura de adrenalina da curva fechada, aquela manobra dificílima, com a sensação da rodinha saindo do chão.

Fiz mil vezes para entender que estava andando naquele momento, finalmente, sem as rodinhas. Uma extrema felicidade me invadia, afinal, eu tinha conseguido, sozinha, andar de bicicleta.

Aquela sensação me marcou, o sentimento da realização, de fazer algo, de conseguir. Acho que esta é uma lembrança viva, talvez a primeira, que me ensinou o que se sente quando consigo fazer uma coisa que me esforço para fazer, que tento até dar certo. Fazer algo que a gente aprende passo a passo, dia após dia, dedicando o que temos de disponível no momento, que nada mais é que nós mesmos: isso se chama felicidade! A sensação da curva, uma mistura de liberdade com realização. Andar sem rodinhas.


*@patidepaula, brasiliense, jornalista, otimista. Sou criativa, sou multi, sou muitas Patrícias. Sempre em busca de autoconhecimento, tenho, cada vez mais, sentido uma potência muito grande dentro de mim. Potência de realização, comunicação, de que posso inspirar o melhor das pessoas. Busco formas de colocar isso no mundo e escrever tem sido uma delas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *