Dona Hermínia

Renata Varandas no Blog Vida de Adulto
Foto: Arquivo pessoal

*Renata Varandas

As mães deveriam ajudar a gente a pagar terapia. Eu acho. A minha mesmo, destruiu todos os meus sonhos do jeito todo peculiar dela. Só porque aos 5, 6 anos eu queria ser paquita da Xuxa e ela, muito carinhosamente, dizia: “Você não está vendo que você é preta e paquita é branca?” E foi assim, didaticamente, que minha mãe me introduziu o conceito de racismo estrutural.

Quando eu tinha uns dez anos, queria ser atriz e ela falava: “Você por acaso tem algum famoso na família? Não. Artista só faz sucesso quando tem sobrenome”. E, então, já comecei a aprender os conceitos de “meritocracia”.

Aos 13, queria ir para a Califórnia viver a vida sobre as ondas, e ela, bem objetiva: “Vai viver de quê? De brisa? Não vou te sustentar e você vai morrer de fome.” E ali eu aprendia sobre a importância da independência financeira.

Já adolescente, ela repetia que, seu eu engravidasse, a primeira coisa que ia fazer era parar de pagar o inglês, só porque ela sabia que eu adorava o inglês. Dessa maneira, aprendi a importância dos métodos contraceptivos.

E quando meu irmão e eu íamos sair, ela obrigava a gente a levar casaco sob a calorosa justificativa: “Se você ficar doente, nem vou te visitar no hospital”. Aprendíamos ali a importância de manter hábitos saudáveis.

Mas ela também me incentivava. Me chamava de Ministra das Comunicações e do Transporte.

Eu era a titular desse ministério que minha mãe criou, porque segundo ela (pode ser que ela tenha um pouco de razão) eu passava o fim de semana no telefone organizando as baladas e depois organizando os pais que iam levar e buscar nas festinhas, ou seja, ela já via em mim uma veia política.

O que eu gosto mesmo é que a gente fica adulto, com quase 40 anos, e ela liga perguntando se eu fechei as janelas antes de sair pra viajar, fica com os meus cachorros (que ela era contra eu ter) e me manda vídeos dela falando com eles como se fossem bebês.

Ela ainda pergunta se estou levando um casaco para o trabalho e se eu digo que não, ela atribui qualquer coisa que eu esteja sentindo à sinusite porque “peguei vento”.

Todo mundo tem a dona Hermínia que merece. Só acho que as mães deveriam ajudar a pagar terapia. Só acho.


*@revarandas escreve às terças-feiras, a cada duas semanas. É uma das organizadoras do Podcast Vida de Adulto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *