Deve ser difícil ser macho

Renata Varandas no blog Vida de Adulto
Foto: Pixabay

*Renata Varandas

Eu costumava brincar: “Na próxima encarnação, quero vir homem” pelas facilidades não apenas anatômicas, mas pelos privilégios que os são concedidos pelos simples fato de terem nascido homens.

Hoje, já tenho uma visão diferente: prefiro ser mulher mesmo porque ser “homem macho sim senhor”, deve ser algo exaustivo. (Tá explicado o porquê deles estarem sempre cansados.)

Enquanto nós, mulheres, “apenas” temos que lidar com problemas reais como: feminicídio, estupro, assédios, salários menores, educação dos filhos, manutenção da casa e ainda estarmos esteticamente desejáveis ao companheiro, os homens também matam um leão por dia, afinal, não é fácil passar o dia inteiro provando que é macho.

Vide os grupos de WhatsApp masculino. Além de objetificar sexualmente uma mulher, seus integrantes também tem que se fazer presentes.

Acho curioso homens que compartilham fotos de mulheres esculturais e comentam, da forma mais vulgar possível – porque quanto mais vulgar, mais macho é – como teriam relações sexuais com elas.

Me pergunto: “Onde é que será que eles compram essas cápsulas de autoestima?” Quem foi que disse a eles que mulheres estão nas prateleiras aguardando serem escolhidas? (E mais, em nenhum momento se pensa: e se fosse a minha esposa, minha mãe, minha filha sendo exposta assim em redes sociais?)

Também deve ser muito pesado para os machos não poderem chorar, nem ligar para um amigo para desabafar ou contar a uma pessoa íntima que falhou na cama.

E por que esse comportamento tão diferente de nós, mulheres? Porque a validação de um homem está no outro homem.

Ao invés dos homens buscarem a aprovação de seus comportamentos nas mulheres, eles buscam em outros homens. São os amigos que vão dizer o quão macho ele é. Se ele é um bom pai ou bom parceiro sexual, por exemplo, não importa pra ele. Importa sim, que os amigos acreditem que ele seja.

Cada vez mais vejo o quão este machismo faz mal não só às mulheres, mas principalmente aos homens. São eles que sufocam uns aos outros em nome de uma masculinidade que se mostra cada vez mais frágil. Rapazes, está na hora de tirar a roupa de super-homem. Boys cry, sim!


*@revarandas escreve às terças-feiras, a cada duas semanas. É uma das organizadoras do Podcast Vida de Adulto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *