Há espaços para a transformação…

Carla Caroline no Blog Vida de Adulto
Foto: Arquivo pessoal

*Carla Caroline

Quando sento para analisar ou falar sobre datas importantes, sempre começo com uma análise sobre o que me move, como aquele momento reverbera em minha vida e de qual maneira as palavras que irei escrever ou proferir poderão contribuir com o cotidiano de quem as lê/ouve.

No entanto, para falar sobre assuntos essenciais, que geram desconforto e, também, certa “polêmica” é preciso estar aberta para os comentários positivos e apoiadores e, claro, aos que surgem como verdadeiros “socos” na boca do estômago.

E, ao tratar de feminismo e racismo, por exemplo, além da política que nos assola, é necessário estar preparada para todos os lados e faces que surgirão a cada palavra. Em datas como hoje, 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, os debates são múltiplos e, em alguns casos, dolorosos.

Além de estarmos prontos para refletir sobre como o racismo estrutural age em nosso dia a dia e os motivos que levam o índice de desemprego ser maior entre as pessoas pretas (negras e pardas, segundo dados do IBGE), temos de lidar com quem afirma veementemente que o racismo não existe.

É, meus caros e caras, em pleno século XXI, estamos cá, mais uma vez, afirmando que os descendentes de povos escravizados são seguidos por seguranças em supermercados; não são atendidos em lojas ou escutam absurdos sobre seus cabelos ou traços físicos.

Em plena sexta-feira de um 2020 tão cheio de mudanças, um jovem negro acabou de ser morto ou detido, exclusivamente pela cor da pele ou por sua situação socioeconômica. Há poucos minutos, creiam, uma mãe ou um pai preto chora por ter sido humilhado em seu local de trabalho, pois o cliente não aceita que o espaço seja gerenciado por ele.

Infelizmente, falta espaço para tantas coisas ruins. Porém, sobra espaço para buscarmos um outro caminho, sabia? Há espaço para líderes pretos; para ascensão educacional e social de mais de 50% da população brasileira e, especialmente, para deixarmos de ser racistas e passarmos a ser antirracistas!

Ahhh… olhe para o seu lado. Olhou? Quando negros e partos frequentam ou trabalham nos mesmos lugares que você ou na mesma posição? Percebeu? Há espaço para mudanças significativas para toda uma sociedade!


*@carlacaroline25 é colaboradora fixa do Vida de Adulto. Escreve aos domingos, duas vezes por mês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *