Não sou autossuficiente

Carla Caroline fala de vulnerabilidade e autoconhecimento
Carla com a filha, a mãe e o marido (Foto: Arquivo pessoal)

*Carla Caroline

Fui criada para resolver. Desde muito nova precisava ajudar minha mãe a fazer a casa “funcionar”; me organizar sem muita supervisão e ter responsabilidade. Já contei aqui que na minha família uma das frases que me marcaram é: “Como estão as crianças (meus irmãos) e a Carla?”. Mesmo todos sendo pequenos esqueciam que eu também era criança.

Anos se passaram e mesmo com apoios para a realização de sonhos, tinha de resolver como tudo aconteceria. E, tudo isso gerou consequências.

As pessoas ao meu redor acham que sou autossuficiente e acreditam (muitas) que não preciso de cuidados. Diante disso, “comprei” o pacote daquela que ouve, ajuda, aconselha, mas que guarda a sua intimidade. Afinal, eu resolvo! Porém, tal carga é pesada!

Minha noção de autossuficiência começou a ruir no começo de 2020.

Em uma consulta de rotina, minha médica recomendou pulsão e biópsia na mama esquerda (tenho histórico de retirada de nódulo desse lado). Dois nódulos aparentemente benignos. Desespero. Dor. Nada de pesquisas no “Google”.

Foi então que as lágrimas desceram e a sensação de vulnerabilidade bateu. Liguei para a minha mãe e ela se propôs a viajar 387km para me acompanhar (phu$&@, pensei). No trabalho, os poucos que sabiam, em especial Karina, Marcel e Luciana, falavam quase que diariamente para marcar o exame (eu evitava).

Em casa, a cobrança era quase que diária (eu tinha medo do diagnóstico).

Minhas primas Maria e Marina rezaram comigo. Contei a pouquíssimas pessoas e segui.

No sábado nublado de carnaval, estava lá “preparada” com a mãe ao lado quando fui chamada para o exame. Mas a médica não deixou minha mãe entrar. Foi horrível. Tenso e a sensação de abandono foi transformada em choro de desespero inconsolável. A entrada da “proteção” foi liberada. Minha mãe ficou lá comigo!

Ali, aos 30+, compreendi que quero que cuidem de mim e que resolvam as coisas por e para mim! CANSEI! Agora, na “Era Corona”, o distanciamento social me mostra que preciso de gente por perto, abraços e um bom café. Mais uma vez, compreendi: EU NÃO SOU AUTOSSUFICIENTE!!

PS: os nódulos são benignos. Só preciso dos exames rotineiros para manter tudo bem!


*@carlacaroline25 é colaboradora fixa do Vida de Adulto. Escreve aos domingos, a cada 15 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *